SINÔNIMO DE FEMINILIDADE O SALTO ALTO PERDEU ESPAÇO!

Do cume de sua sinceridade e autossuficiência, o designer francês Christian Louboutin não vacilou um segundo quando lhe indagaram a respeito da obra-prima assinada por ele, o stiletto de salto alto, imitado à exaustão: “Nenhum sapato com salto de 12 centímetros é confortável, mas as pessoas não me procuram para ter um par de chinelos. Não quero que olhem para minhas peças e exclamem: ‘São realmente confortáveis!’. O importante é que digam: ‘Uau, são lindos!’”.

Mas eis que veio o vírus para mudar inapelavelmente o eixo do planeta, inclusive na moda. E o salto alto teve de descer ao chão, modestamente — sobretudo os mais altos e de espessura finíssima, verdadeiras agulhas. O tropeço foi grande. A consultoria americana NPD Group estimou a queda de venda desses modelos no segundo trimestre de 2020 na casa dos 70% em comparação ao ano passado.

Não se trata apenas de um efeito colateral das quarentenas impostas ao longo deste ano e que tornaram a vida em escritório, festas e todo tipo de encontro impraticável. Trata-se de uma nova faceta da moda que exalta a casualidade nos estilos e a valorização do conforto.

A ideia, a rigor, já vinha sendo desenhada. Em 2019 registrara-se uma derrapada desse tipo de artigo em torno de 12% em relação ao ano anterior.

E o que anda por aí, como substituto?

As versões que ganharam espaço são em especial as desenhadas com bico largo, que dá segurança ao pisar. A celebração da elegância desses sapatinhos mais básicos acaba de ser referendada pelas semanas de modas mais aguardadas do mundo, em Londres, Milão e Paris, ocorridas entre o fim de setembro e o início deste mês de outubro. Nas passarelas, marcas como as francesas Chanel e Dior e a italiana Prada exibiram volumoso número de modelos ao rés do chão.

“A passarela está cada vez mais conectada com o que se usa nas ruas. Na vida real ninguém mais acha aceitável equilibrar-se sobre sapatos desconfortáveis para sugerir elegância ou poder”, diz a consultora de moda Mônica Boaventura.

A mudança é emblemática, já que boa parte da sedução (para homens e mulheres) do salto alto, aquela louvada por Louboutin, é concentrada no gingado para manter-se firme sobre alturas.

Convém acompanhar a atual reviravolta com olhar enciclopédico. O salto alto foi criado para os homens. Entre soldados persas no século X, eles eram grandes aliados por elaborar uma espécie de trava nos estribos dos cavalos, o que permitia uma maior segurança ao disparar flechas. Ganhou requinte somente no reinado de Luís XIV (1643-1715), da França, quando se tornou símbolo de nobreza e glamour. As mulheres só passaram a adaptá-lo ao seu gosto alguns anos depois, e então eles foram progressivamente deixando de vesti-lo, abrindo alas para o universo feminino.

Hoje, decidir calçar ou não plataforma de tanta altitude virou manifesto. Diz a consultora de estilo e professora do Centro Universitário Belas Artes, de São Paulo, Tathiana Santos: “Ao questionar o uso do salto alto, as mulheres não estão. demonizando o acessório, mas apenas defendendo o direito de usá-lo apenas por estilo, quando bem quiserem”.

Assim caminha a humanidade, ora lá em cima, ora cá embaixo.

 

Publicado em VEJA de 21 de outubro de 2020, edição nº 2709

Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
lynda course free download
download coolpad firmware
Download WordPress Themes
udemy course download free

Raquel Costa

Publicidade

Últimas postagens

Parceiros

Instagram